Faça por mim o que deseja que eu faça por você

Vamos aproveitar este tempo para crescermos, aprendermos e evoluirmos.

Antes de tudo espero que todos vocês estejam se cuidando muito bem nesse período. Se for possível, saia o mínimo possível, se não for possível, tenha o máximo de cuidado. Lembre-se que quem vê cara não vê contaminação. A máscara deve cobrir a boca e o nariz, e sempre use álcool em gel 70% antes e depois de tocar em qualquer coisa fora da sua casa, não custa nada se cuidar e cuidar dos outros.

Uma das lições mais importantes que precisamos aprender neste momento é como sermos mais empáticos. Sim falo de Empatia, que é a capacidade de se colocar no lugar do outro e isso nunca foi tão essencial como agora.

Todos nós desejamos ser cuidados, em maior ou menor intensidade, todos nós nos sentimos felizes quando alguém se importa conosco, alguns mais durões podem até dizer que não se importam, mas lá no fundo todos nós sabemos que é muito bom saber que existe alguém que se preocupa verdadeiramente conosco.

Quando falo cuidar não falo paparicar, são coisas diferentes e muito distantes, me refiro à necessidade de termos ou construirmos uma preocupação genuína com o outro, uma preocupação genuína com a comunidade.

Ser empático neste momento pode se traduzir de tantas formas, mas aquela que mais tem me chamado a atenção e é na minha avaliação a mais simples, é o respeito ao uso de máscaras e distanciamento em locais públicos.

Fico impressionado como algumas pessoas demonstram total desapreço pela sua saúde, dos seus familiares, e do seu semelhante, e aqui não me refiro às pessoas que eventualmente não tenham condições de adquirir uma máscara, me refiro àquelas pessoas que tem sim condições e simplesmente não o fazem por desprezarem as regras e orientações.

Me impressiona que pessoas, em tese esclarecidas, ajam como se vivessem em uma bolha asséptica, onde nada poderá atingi-los ou contaminá-los. Tais pessoas não conseguem ser empáticas nem consigo mesmas.

Ter que explicar para alguém que o uso da máscara é importante para ela e para mim, e esta se revolta quando confrontada por estar usando a máscara no queixo, me parece ser um desatino completo, uma total falta de percepção do que é o senso de comunidade.

Dias atrás vi o embaraço no rosto da porteira de um prédio, pois ela estava usando máscara de proteção como orientado, mas no mesmo hall estava sentado um morador, do dito grupo de risco, usando uma máscara no queixo. Perguntei-lhe se havia orientação para os moradores usarem máscaras no ambiente interno, ela confirmou que sim, e isso aparentemente a deixou mais constrangida, pois me pareceu que ela estava receosa de pedir ao morador o uso correto da máscara e ainda correr o risco de ser eventualmente destratada.

Sempre me ensinaram que se eu não quero ter a atenção chamada, devo agir de forma preditiva fazendo o correto da primeira vez, assim o risco da repreensão ou correção é muito menor, e acredito que esta seja uma das melhores formas de agir e demonstrar respeito e cuidado com os outros.

Ninguém precisaria ser avisado e cobrado o tempo todo para se cuidar e fazer uso dos epi´s necessários, mas parece que precisamos ter a atenção chamada rotineiramente. É triste ver adultos, sob o pretexto da “liberdade”, agirem como crianças rebeldes que precisam ser lembradas das suas responsabilidades o tempo todo, e que quando algo não sai do jeito que querem, agem com falta de respeito e malcriação.

Por muito tempo ouvimos em palestras e treinamentos que precisamos ser empáticos, que precisamos cultivar a empatia, e se isso nunca foi um hábito para você, chegou a hora de aprender e praticar na marra, o mundo se encarregou de fazê-lo aprender.

Mas como sempre você tem escolha, pode aprender ou não aprender, pode praticar ou não praticar, mas a responsabilidade sempre vai ser sua, a consciência de nossos atos ou omissões está sempre conosco.

Respeite para ser respeitado. Cuide para ser cuidado. Cultive a Empatia em tudo o que for fazer e onde quer que vá.

Vamos aproveitar este tempo para crescermos, aprendermos e evoluirmos.

Fique bem, sucesso!

Leonardo Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *